Perto.

É amanhã que eu levo meus documentos. Me sinto tão feliz e empolgada. É meu sonho começando, é o meu sonho. Um sonho que perdura tanto tempo e que agora vai começar a fazer parte da minha realidade. Não me canso de repetir isso, mas é necessário quando, depois de pensar que absolutamente tudo tinha ido por água abaixo, tudo deu certo.

Talvez eu tenha mesmo nascido com o rabo virado pra Lua.

Coca-cola gelada.

Eu consegui. Fui aprovada no Próuni, quarta-feira vou na Facamp entregar os documentos necessários. E se Deus quiser eu saio de lá matriculada oficialmente.

É como um sonho que começa, finalmente, a se encaminhar na direção da realidade. E dessa vez é da minha realidade. Vou sair do emprego, o que é ruim porque eu bem que gostava de lá. Mas vou correr pro meu sonho, de braços bem abertos, e dando tudo de mim pra conseguir.

Segunda-feira eu vou ensinar pra garota nova tudo o que ela precisa saber, e vou ajudá-la. Espero que ela dê conta do recado e que ocupe bem o meu lugar, construindo o lugar dela.

Estou ansiosa. Só me preocupo com os gastos todos, mas nós vamos conseguir. Nós vamos, eu vou. Vou orgulhar meus pais, vou orgulhar minha namorada, meus amigos e a mim mesma. Vou ser a melhor fazendo aquilo que amo. E vou pagar a Coca-cola gelada que devo aos meninos, pela minha promessa. Obrigada, Pai.

Awkward.

Queria as coisas como eram antes. Sem meus amigos fazendo outros amigos e sem ver que a minha vida não mudou. Ah, é claro que mudou. Hoje apenas trabalho e uso a internet. Vejo meus amigos fazendo outros amigos, mudando, indo embora. Quanto a mim? Trabalho e internet, apenas.

Amanhã sai o resultado do Próuni. Sei que não passei. Ou que deveria ao menos agradecer pra sempre se por algum milagre houver um ‘aprovado’ diante do meu nome. Ou seja lá qual for a forma de avisar aos candidatos que eles foram selecionados.

Decidi continuar na Impacto. A oficina está crescendo, as chances de crescer junto são interessantes. Quem sabe um salário melhor, se meu trabalho se tornar mais eficiente e eu conseguir mais confiança, como disse minha mãe. E quem sabe um cargo maior, a carteira assinada. Tenho que me virar com o que posso ter, sem me perguntar os motivos de não ser desse ou daquele jeito. Devo aceitar as coisas como são e fazer o meu melhor pra tornar ainda melhor aquilo que tenho.

Não quero ver o resultado do trabalho. Quero poder chorar sem reprimendas ou comemorar sem culpa.

Assumo.

Tenho inveja daqueles que possuem a vida que eu não consigo ter. Invejo os que podem pagar a faculdade sem humilhações, e que ainda por cima podem usar de certa extravagância em alguma saída ou em gastos não planejados. Gostaria de roubar pra mim a forma de viver de alguns amigos, ou nem tão amigos assim. Não! Minto e retifico a frase. Desejo não passar mais por dificuldades financeiras, não ver mais meus pais batalhando por qualquer coisa que dê mais dinheiro e um pouco mais de fôlego às finanças da casa. Dói ver meus amigos em suas faculdades enquanto eu sigo os passos  das pessoas que vivem sob as mesmas condições que eu: trabalhar desde cedo. Não quero continuar a vida toda sob os mesmos passos. Mas às vezes parece que os sonhos foram feitos pra poucos.

Queria fazer parte desses poucos. Ou ver os sonhos sendo parte dos muitos que querem sonhar. Um dia ainda paro de invejar as conquistar alheias para construir as minhas.

Price.

Am I supposed to be happy if all I ever wanted it comes with a price.

E sempre um preço que eu não posso pagar. Ao menos não sem dor.

E não há uma só alma que saiba me dizer exatamente o que fazer.

Dúvida

Não sei o que fazer da vida. Sei que não quero trabalhar na Impacto por muito tempo. Quero algo maior, mais dinheiro, mais satisfação no trabalho. A faculdade… Às vezes sinto que é tão impossível e que já perdi essa. Mas pra Deus nada é impossível. Só não sei se Ele ouve o pedido de alguém que mal frequenta a igreja, não reza, faz coisas que qualquer católico diria que está errado e muito errado. Se Deus deixou como principal dever o amor entre todos nós, o que me impede de amar alguém do mesmo sexo? Não entendo.

Não entendo também porque não sou como eles. Estão ingressando na faculdade que sonharam, ou ao menos na que puderam pagar. E eu estou aqui, confessando meus pensamentos e pensando na droga que é ter que trabalhar amanhã. Me dizem que não há trabalho perfeito, mas sei que há aquele que te deixa feliz e onde ao menos há o que fazer. Desejo tanto a faculdade, tanto. Talvez se eu tivesse dinheiro, estaria nela.

Invejo os que estão, pagando ou não. Invejo sim, e sinto muito se isso é pecado. Quero começar a viver a vida que sonhei pra mim.